terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Ilustração de Moda em jornal da década de 1910 no Brasil

 Com a colaboração da aluna de Desenho de Moda do Centro Cultural Casa das Artes, Mara Frambach, que me trouxe essas lindas imagens de ilustrações de moda de uma determinada época aqui no Brasil. 
Essas lâminas são suplementos do Jornal Illustado e foram guardadas por um membro de sua família e hoje em dia estão em seu poder. Pedi que me fizesse copias para emoldurá-las e também para posta-las no blog.
 Procurei no Google sobre tal jornal mas nada encontrei além de uma imagem da publicação de número 1 do Jornal Illustrado, que eram vendidos em São Paulo e no Rio de Janeiro e que possivelmente possa ser do mesmo que pertencem as lâminas. Logo abaixo das ilustrações, você poderá observar a imagem do primeiro exemplar datado de dezembro de 1911. 
Procurei também pelos ilustradores que assinam essas lâminas mas nada encontrei. 
De todas as formas os créditos de tais ilustradores eu os publico aqui: R. de Souza, E. Blanche, Emile Sevelinge (?), A. M. e F. Boschev (?). 
Isso é cultura. Cultura de moda. Parte da história da indumentária  de uma época aqui no Brasil.


  








sábado, 28 de janeiro de 2012

Estudos para uma Bailarina!

A ex-aluna de Desenho de Moda Juliane Melo, me encomendou uma bonequinha bailarina com um estilo bem infantil para a sua nova escola de dança, o Centro de Ballet Juliane Melo.
Foi então que surgiu a Jujuba, (modelo pintado logo abaixo) uma pequena bailarina com a cara de sua dona. Boa sorte Juliana!





quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Moda - Uma Filosofia


Lendo o prefácio do livro, dá pra ter uma noção de que é um livro muito interessante, com uma abordagem pelo viés da filosofia! 



Prefácio
A moda tem sido um dos fenômenos mais influentes na civilização ocidental desde o Renascimento. Abrange um número crescente de áreas de atividade do homem moderno e passou a nos parecer quase “natural”. Uma compreensão da moda deveria contribuir, portanto, para uma compreensão de nós mesmos e de nossa maneira de agir. Apesar disso, ela foi praticamente ignorada pelos filósofos, talvez porque se pensasse que esse, o mais superficial de todos os fenômenos, dificilmente poderia ser um objeto de estudo digno para uma disciplina tão “profunda”. Mas se a filosofia deve contribuir para nossa autocompreensão, e se a moda realmente foi – e é – tão influente quanto afirmo, ela deveria ser levada a sério como objeto de investigação.
Este livro teve um parto longo, mas não difícil, e muita 
coisa mudou en route. Inúmeras abordagens foram tentadas e 
depois abandonadas porque se provaram becos sem saída. E a obra afinal não é a que eu havia planejado originalmente. Entre outras coisas, cabe destacar, ela se tornou mais crítica do que eu pretendera de início, porque o assunto me obrigou a adotar uma perspectiva cada vez mais analítica. Comecei a pensar em escrever algo sobre moda cinco anos atrás, quando publiquei Filosofia do tédio. Ali, só houve espaço para tocar brevemente no  assunto. No  ano  seguinte  lancei Art, cujo foco principal foi a estetização de nosso mundo – e a moda é naturalmente um fenômeno importante nesse contexto. Essas duas obras me pareceram ter deixado sem solução vários problemas que deveriam ser reunidos num volume sobre moda. Nos anos seguintes, dei várias palestras sobre o tema, mas o livro que queria escrever continuou sendo posto de lado em favor de outras tarefas. Agora ele finalmente foi escrito.
Meus agradecimentos a Ellen-Marie Forsberg, Anne Granberg, Helge Jordheim, Ingrid Sande Larsen, Thomas Sevenius Nilsen, Erik Thorstensen, Ingrid Ugelvik e Knut Olav Åmås por seus comentários sobre o texto. Todos os casos de negligência, imprecisão e erros remanescentes são, é claro, de minha inteira responsabilidade.
Formato: Livro
Autor: SVENDSEN, LARS
Editora: ZAHAR
Assunto: MODA E BELEZA


terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Moda inspirada no design interior

Inspiração para o design interior podem ser encontrados em qualquer lugar, especialmente na moda!
Semana de Moda de Nova York Primavera de 2011 e emparelhado com os interiores que refletem as suas paleta de cores e style.
O que você pensa sobre estes olhares? 
O que te inspira na cor e no design?





IMAGE CREDITS FOR THIS LOOK: PETER SOM; LONNY]






IMAGE CREDITS FOR THIS LOOK: OSCAR DE LA RENTA; TILTON FENWICK]






IMAGE CREDITS FOR THIS LOOK: RACHEL ROY; ROOM FOUND HERE]





sábado, 7 de janeiro de 2012

Desenho no atelier

No atelier, a aluna Angela de Oliveira pratica no desenho, diversas poses através do exercício de desconstrução de poses de fotos de  modelos. O exercício de observação é uma atividade essencial para que o aluno possa  reconhecer as linhas, as formas, a silhueta  do objeto em questão. Praticar sempre que possível o desenho, habilita o aluno a conquistar seu traço em menor tempo possível.
Então, o que vc esta esperando? Corra para o papel com lápis na mão e se joga!
Bom desenho pra vc!










quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Gareth Pugh - Vídeo em homenagem ao estilista britânico Gareth Pugh, o novo parceiro da Melissa. Foi veiculado no lounge da Melissa, dedicado ao jovem estilista, no Fashion Rio Verão 2012



Gareth Pugh (Sunderland31 de agosto de 1981) é um designer britânico. Vive e trabalha em Paris
Gareth Pugh começou a trabalhar na idade de 14 anos como figurinista para o English National Youth Theatre. Em 2003, formou-se na Central Saint Martins em Londres Sua coleção de formatura que usava balões atraiu a atenção da equipe editorial da Dazed & Confused, que fez uma de suas coberturas. Graças à iniciativa!WOWOw!, Em parceria com a Dazed & Confused, e uma primeira passagem, Gareth Pugh atrai a atenção de East London o coração da vanguarda de Londres.
Em 2005, ele foi convidado para apresentar seus trabalhos durante a semana de moda de Londres. Em quatro semanas, sem equipe e sem meios, ele cria uma coleção. O sucesso foi imediato e atrai a atenção de toda a imprensa sobre seu trabalho. Em 2006, ele apresentou sua coleção solo em primeiro lugar, ele irá então apresentar suas coleções Verão 2007 e Inverno 2007, que recebeu elogios da crítica.
Em 2008, Kylie Minogue novamente chama Gareth com seu single In My Arms e para promover seu álbum X. No mesmo ano, Gareth veste Beyoncé para o MTV Europe Awards, em seguida, para o seu single Diva. Gareth recentemente vestiu Lady Gaga durante sua aparição no programa X Factor. Nos últimos anos, graças ao apoio do estilista Rick Owens e sua esposa Michele Lamy, Gareth Pugh conhece uma ascensão meteórica. Em 2010, Gareth abriu sua primeira loja em Hong Kong
video

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Moda e Arte Sempre!

Vamos começar o ano de 2012 com muita Moda e Arte! Selecionei algumas imagens para observarmos a beleza das formas, cores, silhuetas. Nos estilistas que criam  peças maravilhosas para o  vestuário feminino inspirando-se nos grandes e renomados artistas plásticos de todos os tempos. Comecem então a observar tudo ao redor e busquem as mais diversas maneiras de criar recriando, construir destruindo... dê asas à imaginação, corram para o papel e o lápis e vamos começar desde já a praticar nossos traços.
Bom desenho pra vc!
O post hoje está um luxo só!



As silhuetas básicas e coloridas de Tom Wesselmann deram origem a vestidos ainda mais pop assinados por Yves Saint-Laurent.

                           
Yves Saint-Laurent criou em 1965 com base nos quadros de Piet Mondrian. Estas peças fizeram sucesso absoluto, são a cara de uma época, nunca deixaram de encantar e têm lugar de destaque em qualquer enciclopédia de moda que se preze. 

Yves Saint-Laurent o estilista que mais prestou homenagens às artes plásticas. Estes vestidos são estampados com formas e coloridos típicos da obra de Henri Matisse. 

Pablo Picasso pintou diversos arlequins ao longo da carreira, que depois inspiraram Yves Saint-Laurent a criar várias peças de destaque em suas coleções.

 Inspirado na obra que Andy Warhol criou nos anos 1960, transformando em arte os rótulos das sopas Campbell’s. E a marca de comida enlatada aproveitou o burburinho para transformar a arte pop de Warhol em roupa. O vestido era 80% celulose e 20% algodão, por isso não podia ser lavado nem passado. Hoje é item de colecionador. 
 Em 1936, Salvador Dalí criou seu Telefone-lagosta. No ano seguinte, Elsa Schiaparelli estampou em um vestido branco um desenho do mesmo crustáceo, também assinado por Dalí. 

Na comemoração dos 60 anos da Dior, em 2007, John Galliano criou uma coleção inteira baseada em seus pintores favoritos. Este vestido, por exemplo, remete ao quadro White center, de Mark Rothko, pintado em 1950.

Nos anos 90, Emanuel Ungaro criou para a Parallèle sua releitura das flores em cores saturadas de Andy Warhol. 

 Os tons e texturas que estavam na saia de uma das Bailarinas na coxia, de Edgard Degas, pularam para o busto e os ombros da modelo de John Galliano em 2007.
As ilusões inquietantes de M. C. Escher são incríveis por si só, mas quando se tornam alta costura ficam ainda mais sensacionais. Em 2009, pelas mãos de Alexander McQueen, as obras se transformaram em vestidos geniais, cujas estampas mostravam uma típica (e falsificadíssima) padronagem da Givenchy se transformar nos pássaros transmorfos do desenhista holandês.